10 anos de Fórmula 1 (1984-1994)

Voltar

Quando estreou na categoria maior do automobilismo mundial, a Fórmula 1, Ayrton Senna carregava consigo um importante legado de vitórias de tantos outros pilotos brasileiros que que competiram nos anos anteriores como Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet.

Mas ele foi além: em 10 anos, foram três títulos, 41 vitórias, 80 subidas ao pódio e 65 poles em 161 Grandes Prêmios disputados. Marcas que o transformaram em um ídolo no Brasil e no mundo.

Pilotou pela primeira vez um carro da categoria em 1983, quando testou a Williams FW07, campeã com Keke Rosberg. O teste deixou boa impressão, mas sua primeira equipe na categoria seria a Toleman, pela qual estreou em 1984.

Mesmo com um carro abaixo dos principais nomes da Fórmula 1, Ayrton Senna fez bonito, conquistando pódios importantes e impressionando a todos com a sua performance em Monte Carlo, quando só não venceu por determinação da direção de prova, que encerrou a corrida uma volta antes de sua ultrapassagem sobre Alain Prost.

Entre 1985 e 1987, Ayrton Senna pilotou a lendária Lotus, que já havia dado títulos para pilotos brasileiros. Com ela, conquistou as suas primeiras vitórias na categoria – venceu seis vezes no período – e cravou diversas poles. Chegava a hora de lutar pelo campeonato.

E o primeiro título aconteceu já em 1988, ano de sua estreia pela McLaren, marcada pela intensa rivalidade com Alain Prost, seu companheiro de equipe. O que poderia ser uma parceria foi, na realidade, uma dos maiores embates esportivos que o mundo já assistiu: dois grandes pilotos que lutavam curva a curva e corrida a corrida pelas vitórias. Nos anos seguintes, os dois duelariam novamente pelo título, tendo Alain Prost vencido em 1989, após a desclassificação de Ayrton Senna, e o brasileiro em 1990, após chocar-se com o francês na primeira volta do Grande Prêmio do Japão.

Outros grandes rivais engrandeceram as vitórias de Ayrton Senna: Nigel Mansell foi um adversário duro, principalmente quando sua Williams já se mostrava superior às McLaren de 1991. O brasileiro, no entanto, conseguiu o título daquele ano no braço – o terceiro de sua carreira.

Ayrton Senna permaneceu na McLaren até 1993. Com ela, conquistou 35 vitórias em seis anos, incluindo o seu último triunfo, o Grande Prêmio da Austrália de 1993.

Seu nome será sempre lembrado pelos competidores, por especialistas técnicos e, sobretudo, pelos torcedores, sejam eles os fanáticos que se identificavam com o espírito de luta de Ayrton Senna nas pistas ou mesmo aqueles que torciam por seus adversários.

Foram 10 anos em que a Fórmula 1 testemunhou o maior piloto de todos os tempos em ação.