A primeira pole position no Principado

Depois de chegar ao seu primeiro GP de Mônaco relativamente como um piloto desconhecido do grande público da F-1 e sair da prova de 1984 como o mais promissor talento da categoria, Ayrton Senna sabia que a prova nas ruas de Monte Carlo teria tudo para ser novamente especial no ano seguinte. Seu status de grande revelação do automobilismo mundial foi confirmado com outras grandes performances em 1984 e culminou com outra impressionante exibição sob chuva, desta vez em Portugal, no circuito do Estoril, onde um mês antes o brasileiro conquistou sua primeira vitória na F-1.

A corrida de Mônaco era a quarta da temporada 1985 e, nos três GPs anteriores, conquistou duas poles em três corridas – um resultado considerável para quem só tinha uma temporada completa na F-1 e que mostraria logo cedo porque Senna também seria considerado o melhor neste quesito. O único porém para o brasileiro era o consumo de combustível de seu Lotus – bem acima da média, o que o impediu de conquistar mais vitórias neste período de sua carreira (na chuva, por exemplo, o consumo é bem mais baixo e não era problema).

A terceira pole consecutiva na temporada 1985 veio justamente em Monte Carlo e com uma diferença mínima de 86 milésimos para Nigel Mansell, da equipe Williams. Desde os primórdios, largar na frente em Mônaco era o principal passaporte para a vitória no domingo, dada a imensa dificuldade de ultrapassagem no apertado circuito de rua.

No domingo de 19 de maio, Senna conseguiu largar bem, abriu uma boa vantagem para Michele Alboreto, segundo colocado com a Ferrari, mas na 13ª volta uma falha no motor Renault EF15 acabou tirando o piloto da Lotus da corrida. Em dois anos, um pódio com um segundo lugar que merecia uma vitória e uma pole position – o futuro Rei de Mônaco já estava mostrando que seu reinado chegaria ao auge em breve…