Grande Prêmio da Áustria – 1985

Voltar

Após conquistar sua primeira vitória na F-1 sob um verdadeiro dilúvio em Portugal no segundo GP da temporada 1985, Ayrton Senna seguia mostrando velocidade naquele que era seu segundo ano na principal categoria do automobilismo mundial. Tanto que, no Estoril, emendou uma impressionante sequência de quatro poles positions (Portugal, Ímola, Mônaco e Detroit) em cinco corridas. Mas havia um porém: o carro da Lotus acabava deixando o piloto na mão em várias oportunidades, impedindo assim que a nítida velocidade nos treinos se convertesse em vitórias no domingo.

O décimo GP de 1985 aconteceria na Áustria, casa do tricampeão Niki Lauda, que aproveitou o momento para anunciar sua aposentadoria definitiva da categoria ao final da temporada (ele já havia saído e voltado da F-1 anos antes). Com Alain Prost como companheiro de equipe na McLaren, o austríaco já não conseguia acompanhar os resultados do francês, que, com 30 anos, conquistaria o seu primeiro título mundial justamente ao final naquele ano.

No final dos treinos de classificação, Ayrton Senna desabafou aos jornalistas brasileiros presentes na Áustria:

“Paguei todos os meu pecados nesta classificação”

Ele se referia à dificuldade de acertar o carro para a veloz pista de Zeltweg, onde não foi além do 14º lugar no grid. A pole position ficou com Alain Prost, 1min25s490. O francês era o vice-líder do campeonato, apenas cinco pontos a menos que Michele Alboreto, da Ferrari. O italiano largaria em nono lugar, dando uma boa oportunidade para Prost encostar na tabela. Ao lado do francês, Nigel Mansell completava a primeira fila. A segunda tinha Niki Lauda e Keke Rosberg.

Ainda restavam muitos acertos para serem feitos por Ayrton e pela Lotus em poucas horas até a corrida. Na manhã do domingo, após um satisfatório treino livre, Ayrton Senna deixou o cockpit com um sorriso maroto e confidenciou aos mais próximos:

“Vamos dar trabalho!”

E realmente deu. Curiosamente, a Lotus respondia muito bem às condições da pista quando estava com o tanque cheio.

Na primeira largada, Lauda pulou na frente, mas um acidente acabou provocando interrupção da prova, ao envolver diversos pilotos, como Teo Fabi, Gerhard Berger, De Angelis e até o líder do campeonato, Michele Alboreto.

Quando os carros vinham para completar a primeira volta, a direção de prova apresentou a bandeira vermelha e deu início ao procedimento para uma nova largada. O maior beneficiado era Alboreto, que sequer tinha conseguido sair do lugar. O piloto da Ferrari, assim como Fabi, Berger e De Angelis, pegaram o carro reserva para a relargada.

Com todos reposicionados na estreita reta de Osterreichring, foi dada novamente a largada e foi a partir daí que surgiu um dos grandes personagens da prova: Ayrton Senna. O brasileiro começou a colocar em prática o seu vasto repertório de ultrapassagens, pulando para décimo ainda na primeira volta. Quem também foi bem na relargada foi Prost, que recuperou a liderança, com Rosberg em segundo e Lauda em terceiro.

Na quarta volta, Rosberg abandonou com problemas no motor Honda da Williams. Senna foi ultrapassando vários adversários até entrar na zona dos pontos, como Patrick Tambay, Alboreto e Fabi. Ao final da décima volta, Senna já era o sexto colocado.

Rendendo muito bem, a Lotus do brasileiro agora estava atrás de Mansell, um rival bem difícil de ser superado. O piloto da Williams conseguiu ultrapassar Elio De Angelis e Ayrton também aproveitou para colar na traseira do seu companheiro de Lotus na volta 19 e efetuar a ultrapassagem três voltas depois.

Enquanto Senna novamente buscava encostar em Mansell, Prost tentava se desvencilhar de Niki Lauda. O austríaco diminuía muito a vantagem do francês. Na volta 26, o motor BMW da Brabham deixa Piquet lento na pista e Ayrton Senna sobe para a quarta posição.

Lauda assume a ponta com a parada de Prost nos boxes. O piloto da casa ainda voltou na segunda posição, já que Mansell encostou o carro na grama por causa de problemas de motor. Com isso, Senna já entrava na zona do pódio e era o terceiro.

Tudo caminhava para uma vitória tranquila de Lauda, até que na volta 39, o turbo da McLaren falha e acaba deixando a torcida austríaca frustrada em Zeltweg. Prost e Senna conseguem levar o carro até o final e conquistam o primeiro e segundo lugares, respectivamente. Foi a segunda dobradinha Prost-Senna na F-1 – a primeira foi a histórica corrida de Mônaco em 1984.

Quem não gostou do trabalho de Ayrton Senna foi Michele Alboreto (Ferrari), que disputava ponto a ponto o título com o vencedor da prova, Alain Prost (McLaren). Alboreto pressionou Ayrton no final da prova, mas não conseguiu tirar o segundo lugar do brasileiro, que conquistou seu quinto pódio na carreira, o segundo pela Lotus.

No final da corrida, o inconformado piloto italiano disparou: “Esse brasileiro corre com a faca nos dentes como se ainda estivesse na Fórmula 3”.

 

Resumo da Corrida

  • 1 A. Prost
  • 2 N. Mansell
  • 3 N. Lauda
  • 4 K. Rosberg
  • 5 N. Piquet
  • 6 T. Fabi
  • 7 E. de Angelis
  • 8 P. Tambay
  • 9 M. Alboreto
  • 10 R. Patrese
  • 11 M. Surer
  • 12 S. Johansson
  • 13 D. Warwick
  • 14 Ayrton Senna
  • 15 J. Laffite
  • 16 T. Boutsen
  • 17 G. Berger
  • 18 A. de Cesaris
  • 19 P. Ghinzani
  • 20 E. Cheever
  • 21 P. Alliot
  • 22 S. Bellof
  • 23 Achenson
  • 24 H. Rothengatter
  • 25 J. Palmer
  • 26 P. Martini
Voltas 51
Tempo Nublado
Volta mais rápida A. Prost - 1´29´´241
Podium 1º A. Prost 2º Ayrton Senna 3º M. Alboreto
Carros 26
Abandonos 15