Grande Prêmio da Holanda – 1985

Voltar

Ayrton Senna continuava com problemas no motor Renault turbo. Era potente, mas consumia bem mais combustível do que o Porsche-TAG da McLaren, o BMW da Brabham e o Honda da Williams. Seus planejamentos de corrida sempre tinham que levar em conta a menor autonomia da Lotus em relação aos adversários.

Na Holanda, conseguiu um carro mais estável, saindo em quarto lugar no grid e chegando em terceiro, atrás das McLarens de Niki Lauda e Alain Prost.

Em vez de festejar mais um pódio em sua carreira, Ayrton Senna exigiu novos testes para o motor para as próximas corridas.

“Eu quero a chance de lutar por vitórias, e não ficar correndo contra a pane seca. Nessa prova de economia eu já estou com o assento quadrado de tanto competir”

A reclamação parece ter surtido algum efeito: com um carro mais estável, Ayrton Senna sofreu com menos quebras a partir daí, conquistando pontos importantes para o campeonato.

Resumo da Corrida

  • 1 N. Piquet
  • 2 K. Rosberg
  • 3 A. Prost
  • 4 Ayrton Senna
  • 5 T. Fabi
  • 6 P. Tambay
  • 7 N. Mansell
  • 8 T. Boutsen
  • 9 M. Surer
  • 10 N. Lauda
  • 11 E. de Angelis
  • 12 D. Warwick
  • 13 J. Laffite
  • 14 G. Berger
  • 15 P. Ghinzani
  • 16 M. Alboreto
  • 17 S. Johansson
  • 18 A. de Cesaris
  • 19 R. Patrese
  • 20 E. Cheever
  • 21 M. Brundle
  • 22 S. Bellof
  • 23 J. Palmer
  • 24 P. Martini
  • 25 P. Alliot
  • 26 H. Rothengatter
Voltas 71
Tempo Ensolarado
Volta mais rápida A. Prost - 1´16´´538
Podium 1º N. Lauda 2º A. Prost 3º Ayrton Senna
Carros 26
Abandonos 16