Grande Prêmio da Itália – 1986

Voltar

Ayrton Senna estava de bom humor durante o fim de semana. E parecia que pouco tinha a ver com os resultados obtidos na Itália.

O piloto brasileiro sairia apenas da quinta posição, mas mantinha a alegria momentos antes da largada.

Depois da corrida, também não parecia desapontado com a quebra da transmissão da Lotus, que resumiu a sua participação no Grande Prêmio a insignificantes 15 segundos.

O segredo para tanta tranquilidade foi uma série de encontros com os engenheiros japoneses da Honda em Monza.

Havia a possibilidade de ter em sua Lotus o melhor motor da categoria durante a temporada 1987. Sem dúvida, uma notícia que fazia esquecer qualquer decepção do fim de semana.

Resumo da Corrida

  • 1 T. Fabi
  • 2 A. Prost
  • 3 N. Mansell
  • 4 G. Berger
  • 5 Ayrton Senna
  • 6 N. Piquet
  • 7 D. Warwick
  • 8 K. Rosberg
  • 9 M. Alboreto
  • 10 R. Patrese
  • 11 R. Arnoux
  • 12 S. Johansson
  • 13 T. Boutsen
  • 14 P. Alliot
  • 15 P. Tambay
  • 16 C. Danner
  • 17 J. Drumfries
  • 18 A. Jones
  • 19 A. Nannini
  • 20 M. Brundle
  • 21 A. de Cesaris
  • 22 J. Palmer
  • 23 P. Streiff
  • 24 H. Rothengatter
  • 25 I. Capelli
  • 26 P. Ghinzani
  • 27 A. Caffi
Voltas 51
Tempo Ensolarado
Volta mais rápida T. Fabi - 1´24´´078
Podium 1º N. Piquet 2º N. Mansell 3º S. Johansson
Carros 27
Abandonos 16

Senna na corrida

Posição de largada 5
Posição final Abandonou (1º volta)
Melhor volta Não completou
Pontos somados para o Campeonato -
Posição no Campeonato após a prova 4
O que disse após a prova
“Acho que a transmissão se foi. Tudo estava perfeito, não havia nenhum alerta. Foi no contato com a embreagem que percebi o problema”