Grande Prêmio da Bélgica – 1987

Voltar

Ayrton Senna ainda estava combalido devido a um resfriado quando chegou para o Grande Prêmio da Bélgica. Mesmo assim, participou de todas as sessões de treino e classificação.

Até esqueceu da febre ao conferir que se encontrava a apenas 49 milésimos de segundo da primeira fila das Williams, que dominaram o treino classificatório com Nigel Mansell e Nelson Piquet.

Era uma demonstração da competitividade do motor Honda, presente nas máquinas dos três primeiros colocados.

Para o domingo, Ayrton Senna medicou-se e tentou repousar.

Apesar do descanso, foi para a corrida sentindo-se fora de forma. Mesmo com uma boa largada, em que ficou na briga por uma melhor posição entre Gerhard Berger (Ferrari) e Piquet, não chegou a completar uma volta.

Ayrton Senna retardou a freada na curva Le Combes, escorregou e não segurou sua Lotus na tomada da Malmedy. Foi o fim da prova. Sobre a breve participação no Grande Prêmio, o piloto brasileiro suspirou:

“O carro teve uma reação estranha. De repente ficou incontrolável. Bem, agora vou para casa curar a gripe”

Resumo da Corrida

  • 1 N. Mansell
  • 2 N. Piquet
  • 3 Ayrton Senna
  • 4 G. Berger
  • 5 M. Alboreto
  • 6 A. Prost
  • 7 T. Boutsen
  • 8 R. Patrese
  • 9 T. Fabi
  • 10 S. Johansson
  • 11 E. Cheever
  • 12 D. Warwick
  • 13 A. de Cesaris
  • 14 A. Nannini
  • 15 S. Nakajima
  • 16 R. Arnoux
  • 17 P. Ghinzani
  • 18 M. Brundle
  • 19 A. Campos
  • 20 C. Danner
  • 21 I. Capelli
  • 22 P. Alliot
  • 23 P. Streiff
  • 24 J. Palmer
  • 25 P. Fabre
  • 26 A.Caffi
Voltas 43
Tempo Nublado
Volta mais rápida A. Prost - 1´57´´153
Podium 1º A. Prost 2º S. Johansson 3º A. de Cesaris
Carros 26
Abandonos 16

Senna na corrida

Posição de largada 3
Posição final Abandonou (1º volta)
Melhor volta Não completou
Pontos somados para o Campeonato -
Posição no Campeonato após a prova 4
O que disse após a prova
“O carro teve uma reação estranha. De repente ficou incontrolável. Bem, agora vou para casa curar a gripe”