Grande Prêmio de San Marino – 1987

Voltar

Depois de ter um GP de estreia frustrante, ao não completar o GP Brasil disputado em Jacarepaguá, Ayrton Senna chegou a Ímola para a segunda etapa do campeonato disposto a uma reação imediata. E a melhor forma seria assegurar a pole position no treino classificatório, onde teria uma chance maior de superar com sua Lotus as favoritas Williams, de Nigel Mansell e Nelson Piquet – que não participaria da corrida após grave acidente na curva Tamburello.

O GP de Ímola de 1987 também marcava a segunda prova de Senna trabalhando com os japoneses da Honda, substituindo o motor Renault que a Lotus usara na temporada anterior. Outra grande mudança da equipe era a nova cor predominante do carro (amarelo, devido ao patrocinador), mas a principal inovação tecnológica do Lotus 99-T era mesmo o desenvolvimento da suspensão ativa, que atingiria seu auge cinco anos depois, na F-1.

Por isso, quando Senna estabeleceu a melhor volta do treino no dia 2 de maio, com o tempo de 1m25s826 (com média horária de 211,4 km/h), conquistou uma pole position histórica: a sua primeira com motor Honda e também a primeira de um carro com suspensão ativa na F-1. O brasileiro superou por apenas um décimo de segundo o inglês Nigel Mansell na seletiva pista de Imola. Foi a sua 16ª pole position de sua carreira até então na Fórmula 1.

Já no domingo, após testar a Lotus durante o warm up, Senna se mostrou confiante no desempenho do carro com o tanque cheio. Apostava que poderia estar no pódio no fim da corrida.

“Se funcionar tudo como o previsto vamos dar um calor neles”

Quando a corrida começou, Ayrton Senna liderou uma volta, mas em seguida sentiu que a Lotus balançava muito nas curvas de alta velocidade. Logo, não conseguiria mais conter a Williams de Nigel Mansell, que vinha com excelente performance na pista e colado na traseira.

Já que não era possível resistir ao inglês, conseguiu se impor contra o piloto da casa, o italiano Michele Alboreto, que corria com uma Ferrari. No final, sua previsão de pódio concretizou-se: Ayrton Senna cruzou a linha de chegada em segundo lugar, atrás de Mansell e à frente de Alboreto.

“Eu tive uma grande batalha com Michele Alboreto, ficando em vantagem depois de um pit stop muito rápido. Mas então o carro deu uns trancos – acho que ele é temperamental. Fiquei para trás, conseguindo ultrapassá-lo cinco voltas depois, sem chances para um troco”, disse o brasileiro após a corrida.

Foram os primeiros seis pontos de Senna na temporada 1987, que seria a sua melhor com a Lotus em termos de resultado de campeonato (terminaria em 3º). Àquela altura, na segunda etapa, a tabela ainda estava bem embolada, com liderança de Mansell, com 10 pontos, um à frente de Prost, vitorioso no Rio de Janeiro com a McLaren mas que abandonou a corrida em Ímola.

Saiba mais sobre a suspensão ativa

A suspensão ativa tem como objetivo amortecer o carro nas oscilações da pista e deixá-lo em uma altura igual, independente se ele estiver em uma freada, ou em uma reta. Também ajuda em diferentes estágios da corrida, caso o carro esteja com pouco combustível ou com tanque cheio, o que influencia no peso e altura do carro. Esse sistema foi bastante trabalhado no final dos anos 1980, sobretudo pela equipe Lotus, e no início dos anos 1990 na Fórmula 1 atingiu seu auge, com a imbatível Williams de 1992, que Senna definiu como “o carro de outro planeta”.

Em outras palavras, um carro com suspensão ativa mexe bem menos do que a mesma máquina sem esse sistema. Ao mapear o circuito e “prever” as oscilações, o ajuste da suspensão conseguia uma eficiência jamais vista em um carro de F-1.

Ficou célebre a comparação da câmera onboard de Senna no GP do México de 1992 contra a de Nigel Mansell na mesma pista – a eficiência da Williams ficava nitidamente mais clara contra a McLaren. Outra imagem marcante foi quando os mecânicos da Williams brincavam com o sistema com o carro parado no box – ele parecia “respirar”, já que se mexia para cima e para baixo, como se tivesse vida.

O Lotus 99T foi o primeiro carro com suspensão ativa a fazer uma pole position com Ayrton Senna, conquistada justamente neste GP de San Marino de 1987. O sistema para deixar os carros mais estáveis na pista foi proibido, juntamente com outras assistências eletrônicas, em 1994.

Resumo da Corrida

  • 1 Ayrton Senna
  • 2 N. Mansell
  • 3 A. Prost
  • 4 T. Fabi
  • 5 G. Berger
  • 6 M. Alboreto
  • 7 R. Patrese
  • 8 S. Johansson
  • 9 E. Cheever
  • 10 D. Warwick
  • 11 T. Boutsen
  • 12 S. Nakajima
  • 13 A. de Cesaris
  • 14 M. Brundle
  • 15 A. Nannini
  • 16 A. Campos
  • 17 C. Danner
  • 18 P. Ghinzani
  • 19 A.Caffi
  • 20 P. Streiff
  • 21 P. Alliot
  • 22 I. Capelli
  • 23 J. Palmer
  • 24 P. Fabre
  • 25 G. Tarquini
Voltas59
TempoEnsolarado
Volta mais rápidaT. Fabi - 1´29´´246
Podium 1º N. Mansell 2º Ayrton Senna 3º M. Alboreto
Carros25
Abandonos12

Senna na corrida

Posição de largada1
Posição final2
Melhor volta1’30’’851
Pontos somados para o Campeonato6
Posição no Campeonato após a prova4
O que disse após a prova
“Eu tive uma grande batalha com Michele Alboreto, ficando em vantagem depois de um pit stop muito rápido. Mas então o carro deu uns trancos - acho que ele é temperamental. Fiquei para trás, conseguindo ultrapassá-lo cinco voltas depois, sem chances para um troco”