Grande Prêmio de Phoenix – 1989

Voltar

Depois de três vitórias seguidas no ano, sem dar a menor chance aos adversários, Ayrton Senna chegou ao Grande Prêmio nos Estados Unidos muito próximo de consolidar o caminho para o segundo título mundial ainda no começo da temporada. Como poderiam os outros tirar tamanha diferença?

Diferença que se acentuou durante os treinos. O piloto brasileiro conseguiu a pole com mais de 1 segundo de vantagem em relação ao tempo obtido por Prost, o segundo colocado.

A corrida começou e Ayrton Senna liderava com folga. Transcorridos exatos 1h16min46s, na 44ª das 75 voltas, entrou nos boxes com uma fumaça azulada escapando sob o capô da McLaren. Foi um problema no motor que tirou a quarta vitória seguida de Senna na temporada.

Para todos os outros, foi uma alegria geral. Os cartolas da Fórmula 1 vibraram na tribuna de honra, os adversários abriram sorrisos largos, o povo aplaudiu e mesmo na McLaren não houve o mínimo sinal de desapontamento.

O campeonato estava novamente aberto e salvo. A disputa iria até as últimas corridas. A vitória em Phoenix caiu no colo de Alain Prost, que respirou aliviado com a nova chance de brigar pelo título.

Ayrton Senna só deixou o circuito quatro horas depois do pódio. Esteve todo aquele tempo reunido com os engenheiros da Honda, discutindo a inesperada pane do motor.

Resumo da Corrida

  • 1 Ayrton Senna
  • 2 A. Prost
  • 3 A. Nannini
  • 4 N. Mansell
  • 5 M. Brundle
  • 6 A.Caffi
  • 7 S. Modena
  • 8 G. Berger
  • 9 M. Alboreto
  • 10 D. Warwick
  • 11 I. Capelli
  • 12 P. Alliot
  • 13 A. de Cesaris
  • 14 R. Patrese
  • 15 P. Martini
  • 16 T. Boutsen
  • 17 E. Cheever
  • 18 M. Gugelmin
  • 19 S. Johansson
  • 20 L. Perez-Sala
  • 21 J. Palmer
  • 22 N. Piquet
  • 23 S. Nakajima
  • 24 G. Tarquini
  • 25 J. Herbert
  • 26 C. Danner
Voltas 75
Tempo Ensolarado
Volta mais rápida A. Senna - 1´33´´969
Podium 1º Ayrton Senna 2º R. Patrese 3º E. Cheever
Carros 26
Abandonos 17

Senna na corrida

Posição de largada 1
Posição final Abandonou (44ª volta)
Melhor volta 1´33´´969
Pontos somados para o Campeonato -
Posição no Campeonato após a prova 2
O que disse após a prova
"Estou surpreendido por ter ganho esta corrida. Quando vinha para o circuito não estava à espera que o carro fosse tão competitivo, pois tínhamos começado a testá-lo apenas há duas semanas e não se tinha mostrado muito equilibrado. Por outro lado, arrancar em quinto era quase uma novidade para mim, uma vez que nas últimas 24 corridas tinha ficado 22 vezes na "pole" e as outras duas em segundo. E isto aconteceu numa pista de cidade, onde é sempre difícil ultrapassar. Para a corrida, o carro estava já bem equilibrado, o motor estava bom e procurei manter um ritmo certo, tendo em atenção à temperatura dos travões, não forçando para acompanhar o Alesi e o Berger, que estavam andando muito rápido. Quando o Berger bateu, procurei concentrar-me no Alesi, mas ele tinha um carro muito equilibrado e uma boa aderência dos pneus, por isso era muito difícil acompanhá-lo. Pensei que ele iria mudar de pneus, mas quando vi que não o faria comecei a forçar, buscando uma oportunidade, mas ele guiava muito bem, com grande precisão. Aproveitei a presença de alguns atrasados à frente do Alesi para me aproximar dele, mas devo confessar que não esperava vê-lo passar-me pelo exterior depois de eu o ter ultrapassado! Tive que esperar nova oportunidade e tentar outra vez, o que aconteceu na volta seguinte, e o Alesi voltou a resistir de forma magnífica, provocando momentos de muita emoção, que me deram um grande prazer, pois uma luta leal e correta. Quando vi que o Alesi estava ao meu lado, numa zona suja da pista, sabia que estava em dificuldades e se eu forçasse, teríamos chocado. Foi ótimo vencer logo no início do ano, depois de todos os problemas dos últimos meses, pois isso faz-me recuperar a motivação, e agora aguardo com ansiedade a corrida em Interlagos. Espero devolver o número 1 à McLaren no final do ano. "