Grande Prêmio de Portugal – 1989

Voltar

O GP de Portugal foi uma das provas mais polêmicas da temporada de 1989 da F-1 e o desfecho desta prova abriu o caminho para o episódio final em Suzuka, no mês seguinte, quando Alain Prost jogou a McLaren em cima de Ayrton Senna.

Na verdade, tudo começou em Monza, duas semanas antes. Senna tinha 11 pontos de desvantagem para Prost na tabela e vencia o GP da Itália com menos de 10 voltas para o final e com mais de 20 segundos de vantagem para o francês. O motor Honda da McLaren estourou e deixou Senna a pé. Prost venceu e subiu para 71 pontos na tabela. Senna permaneceu com 51 pontos.

Precisando chegar na frente de Prost em Portugal para manter suas chances de título, Senna e a McLaren não contavam com o progresso de Nigel Mansell e Gerhard Berger. O desempenho da Ferrari era crescente na temporada. A escuderia italiana chegou no Autódromo de Estoril para dificultar a prova para a dupla da McLaren, que levava o campeonato em uma disputa doméstica.

Senna liderou todos os treinos e fez a pole position com o tempo de 1min15s468, 0s591 mais rápido que Gerhard Berger, segundo no grid. O austríaco e o britânico Nigel Mansell se posicionaram à frente de Alain Prost, que era apenas o quarto colocado.

Durante a corrida, as Ferrari de fato mostraram que dariam trabalho na sequência da temporada. Berger largou melhor e contornou a primeira curva na liderança. Senna era o segundo, Mansell permaneceu em terceiro e Prost na quarta posição.

O brasileiro tinha bastante trabalho para segurar Mansell e na oitava volta o “Leão” tomou a segunda posição ao pegar o vácuo do brasileiro e completar a ultrapassagem no final da reta principal.

No início da prova, Berger até havia aberto uma boa margem de vantagem para Mansell, mas o austríaco teve dificuldades com os retardatários e foi justamente nesse momento em que o seu companheiro de equipe aproveitou e tomou a liderança no mesmo trecho da pista em que havia ultrapassado Senna, desta vez na volta 23.

Percebendo a dificuldade de Berger com os retardatários, Senna também colou no austríaco na volta 26. Logo depois, Prost fez seu pit stop na volta 28 e parecia ter apenas um simples objetivo: levar o seu carro até o final na zona de pontuação.

Berger fez seu pit stop na volta 35 e Senna trocou pneus na volta 36. A parada da Ferrari foi 7 segundos mais rápida que a da McLaren e distância aumentou entre os dois.

Mansell foi o último dos líderes a fazer seu pit stop, na volta 39. Com o box da Ferrari logo depois do da McLaren, que era o primeiro, Mansell acabou passando da área de troca de pneus. O britânico não pensou duas vezes e engatou a marcha ré dentro do box, o que é contra o regulamento da Fórmula 1.

O pit stop demorou uma eternidade e o inglês retornou à pista na terceira posição. Senna se motivou com o atraso de Mansell e colou novamente na traseira de Berger para buscar a vitória, mas o britânico começou a pilotar desesperadamente na caça do brasileiro, que precisou se defender e perdeu novamente o contato com o austríaco.

Na volta 47, Mansell recebeu o primeiro sinal de bandeira preta da direção de prova, desclassificando o britânico pela irregularidade no pit stop. Na volta 48, Mansell não recolheu a Ferrari para os boxes e na volta 49, ainda na pista, o piloto inglês não acatou a punição e bateu forte com a McLaren de Senna, tentando uma manobra de ultrapassagem impossível. Os dois pilotos saíram da prova em uma disputa em que o grande prejudicado foi o brasileiro, pois Mansell já estava eliminado da corrida.

Com isso, Berger venceu, Prost foi o segundo e o sueco Stefan Johansson foi a surpresa no pódio, com sua Onix.Senna tinha tudo para diminuir a vantagem de Prost e no final acabou vendo o francês ampliar a vantagem para 24 pontos. Senna teria que vencer as três provas finais e cumpriria bem seu papel até outra polêmica batida, desta vez com seu companheiro de equipe, Prost, jogando o carro contra o brasileiro em Suzuka.

Resumo da Corrida

  • 1 Ayrton Senna
  • 2 G. Berger
  • 3 N. Mansell
  • 4 A. Prost
  • 5 P. Martini
  • 6 R. Patrese
  • 7 A.Caffi
  • 8 T. Boutsen
  • 9 L. Perez-Sala
  • 10 M. Brundle
  • 11 S. Modena
  • 12 S. Johansson
  • 13 A. Nannini
  • 14 M. Gugelmin
  • 15 R. Moreno
  • 16 E. Pirro
  • 17 P. Alliot
  • 18 J. Palmer
  • 19 A. de Cesaris
  • 20 N. Piquet
  • 21 M. Alboreto
  • 22 D. Warwick
  • 23 R. Arnoux
  • 24 I. Capelli
  • 25 S. Nakajima
  • 26 E. Cheever
Voltas 71
Tempo Ensolarado
Volta mais rápida G. Berger 1´18´´986
Podium 1º G. Berger 2º A. Prost 3º S. Johansson
Carros 26
Abandonos 12