Grande Prêmio da Espanha – 1991

Voltar

Passavam das 10 horas da noite quando Ayrton Senna saiu do motorhome da McLaren na sexta-feira.

Esteve ali durante o dia todo para descobrir com seus técnicos a melhor tática para vencer o último Grande Prêmio europeu do ano.

No sábado, viu Gerhard Berger, seu companheiro, conquistar a pole position. Ele sairia em terceiro e já tinha uma pista do que faria.

Decidiu enervar Nigel Mansell, seu adversário na briga pelo título.

Enquanto a pista esteve molhada, a tática deu certo. Ayrton Senna colocou-se em segundo após a largada e permitiu a fuga de Berger. Após a troca de pneus para pista seca, o brasileiro liderava, mas novamente deixou seu companheiro passar à frente, chamando para si a missão de segurar Mansell.

Fechou a porta por 31 voltas, em uma briga espetacular na pista, mas rodou e perdeu a posição. E Mansell, usufruindo da superioridade da Williams, conseguiu chegar à bandeirada final em primeiro. Venceu assim o Grande Prêmio da Espanha.

O brasileiro fechou em quinto e somou mais dois pontos para a decisão no Japão.

Resumo da Corrida

  • 1 G. Berger
  • 2 N. Mansell
  • 3 Ayrton Senna
  • 4 R. Patrese
  • 5 M. Schumacher
  • 6 A. Prost
  • 7 J. Alesi
  • 8 I. Capelli
  • 9 E. Pirro
  • 10 N. Piquet
  • 11 M. Brundle
  • 12 M. Blundell
  • 13 M. Gugelmin
  • 14 S. Modena
  • 15 J. Lehto
  • 16 G. Morbidelli
  • 17 A. de Cesaris
  • 18 S. Nakajima
  • 19 P. Martini
  • 20 A. Zanardi
  • 21 M. Hakkinen
  • 22 G. Tarquini
  • 23 E. Bernard
  • 24 M. Alboreto
  • 25 E. Comas
  • 26 T. Boutsen
Voltas 65
Tempo Nublado
Volta mais rápida R. Patrese - 1´22´´837
Podium 1º N. Mansell 2º A. Prost 3º R. Patrese
Carros 26
Abandonos 9

Senna na corrida

Posição de largada 3
Posição final 5
Melhor volta 1’24’’771
Pontos somados para o Campeonato 2
Posição no Campeonato após a prova 1
O que disse após a prova
-