Grande Prêmio da Austrália – 1992

Voltar

Ayrton Senna iria comunicar sua saída da Fórmula 1 na Austrália. Queria ausentar-se por um ano, mas os fatos ocorridos nos bastidores obrigaram-no a cancelar o anúncio. Também mudou de ideia, permanecendo na categoria para a temporada de 1993.

Largando em segundo, brigou com Mansell durante as 18 voltas em que os dois permaneceram na pista. Quando tentou a ultrapassagem, os carros se enroscaram, eliminando ambos da disputa.

“Foi um pecado, pois a briga era ferrenha e limpa. Saí do cockpit e procurei Mansell para cumprimentá-lo pelo excelente campeonato e pela conquista do título, mas ele sumiu, saiu correndo feito um doido. Depois soube que o Leão me culpou pela batida. Paciência. Eu jamais provocaria o acidente de propósito”

Houve no fim a alegria pela vitória do amigo Berger. Era a segunda desde a estreia do austríaco pela McLaren. Um piloto que sempre trabalhou duro pela equipe e contribuiu para que Ayrton Senna conquistasse vitórias importantes.

Resumo da Corrida

  • 1 N. Mansell
  • 2 Ayrton Senna
  • 3 R. Patrese
  • 4 G. Berger
  • 5 M. Schumacher
  • 6 J. Alesi
  • 7 A. de Cesaris
  • 8 M. Brundle
  • 9 E. Comas
  • 10 M. Hakkinen
  • 11 M. Alboreto
  • 12 J. Herbert
  • 13 O. Grouillard
  • 14 P. Martini
  • 15 S. Modena
  • 16 G. Morbidelli
  • 17 C. Fittipaldi
  • 18 A. Suzuki
  • 19 N. Larini
  • 20 M. Gugelmin
  • 21 B. Gachot
  • 22 T. Boutsen
  • 23 E. Naspetti
  • 24 J. Lehto
  • 25 J. Lammers
  • 26 U. Katayama
Voltas 81
Tempo Nublado
Volta mais rápida M. Schumacher - 1´16´´078
Podium 1º G. Berger 2º M. Schumacher 3º M. Brundle
Carros 26
Abandonos 13

Senna na corrida

Posição de largada 2
Posição final Abandonou (18º volta)
Melhor volta 1’17’’818
Pontos somados para o Campeonato -
Posição no Campeonato após a prova 4
O que disse após a prova
“Eu jamais provocaria o acidente (com Mansell) de propósito”