Senna: uma barreira no caminho de Prost e Schumacher em 1993

Voltar

Os majestosos duelos entre Ayrton Senna e Alain Prost estavam de volta à Fórmula 1. Depois da ausência do piloto francês durante a temporada de 1992, ele voltava a bordo da Williams, com um carro novamente competitivo no campeonato. Já o brasileiro, iniciava a sua última temporada pela McLaren, agora com o motor Ford-Cosworth, após o final da parceria com Honda.

Durante o período de férias e pré-temporada, Ayrton Senna aproveitou para decidir seu futuro no automobilismo. O piloto chegou a fazer um teste com o Fórmula Indy da equipe Penske, no Arizona, a convite de Emerson Fittipaldi. O tricampeão também cogitou tirar um ano sabático, da mesma maneira que Prost havia feito, mas seu sentimento pela Fórmula 1 e pela vontade de competir falou mais alto.

Prost e Ayrton dominaram as atenções já nos treinos para o GP da África do Sul, palco que abria a temporada da F-1 pelo segundo ano consecutivo. Alain Prost fez a pole position em 1min15s696, somente 0s088 mais rápido que o brasileiro. Michael Schumacher foi o terceiro com a Benetton, e Damon Hill, estreante na Williams, foi o quarto no classificatório.

Na largada, Senna pulou na frente, com Hill e Prost nas posições seguintes. Prost demorou a largar e quase perdeu a posição também para Schumacher. Ainda na parte inicial da primeira volta, Hill rodou sozinho e viu todos os carros vindo em sua direção. Nada de mais grave aconteceu e o principal beneficiado foi o alemão da Benetton, que aproveitou para tomar a frente de Prost, enquanto o francês teve que fazer uma manobra para não atingir Damon Hill.

Nas voltas seguintes, Senna, Schumacher e Prost se distanciaram bastante do restante do pelotão. Na volta 13, finalmente o francês consegue superar o alemão em uma manobra corajosa e por fora. O duelo então ficou entre os dois tricampeões mundiais da época. Prost tentou inúmeras vezes ultrapassar Ayrton no mesmo ponto em que tomou o lugar de Schumacher, mas o piloto da McLaren sempre fechava a porta.

Após os líderes completarem 25 voltas, não teve mais jeito para Ayrton. Prost tomou a frente, seguido de Schumacher em segundo. A McLaren perdia desempenho e o brasileiro foi chamado para o box. Na estratégia do pit stop, Ayrton levou a melhor e retomou a segunda posição, já que Schumacher foi mais lento nos boxes. No entanto, o câmbio de sua McLaren apresentou problemas e o rendimento do carro continuou em declínio.

O alemão não desistiu da vice-liderança e, com um motor mais potente, tentou efetuar a manobra na 40ª volta, quando Senna fechou a porta e o alemão acabou rodando após um toque da sua roda dianteira esquerda na traseira direita do brasileiro. Com isso, o piloto da Benetton abandonou e o brasileiro manteve a segunda posição.

Na volta 69, uma grande tempestade caiu no circuito de Kyalami, proporcionando vários abandonos. Uma pena para Senna é que a chuva chegou somente três voltas antes do fim, impossibilitando do brasileiro encostar no rival. O domínio da Williams ficou tão notável que apenas o brasileiro conseguiu terminar na mesma volta do vencedor. Prost venceu em seu retorno à F-1, marcando também a volta mais rápida da corrida em 1min19s492.

O segundo lugar na prova não foi tão ruim, afinal, além dos problemas na corrida, seu novo motor Ford era mais fraco que o Renault da equipe de Frank Williams e a nova McLaren não tinha passado por tantos testes.

O Grande Prêmio da África do Sul também marcou duas boas novas para o Brasil: Christian Fittipaldi (Minardi) fez um bom quarto lugar, seu melhor resultado na F-1, e Rubens Barrichello (Jordan) estreou na categoria.

Resumo da Corrida

  • 1 A. Prost
  • 2 Ayrton Senna
  • 3 M. Schumacher
  • 4 D. Hill
  • 5 J. Alesi
  • 6 J. Lehto
  • 7 R. Patrese
  • 8 M. Blundell
  • 9 M. Andretti
  • 10 K. Wendlinger
  • 11 P. Alliot
  • 12 M. Brundle
  • 13 C. Fittipaldi
  • 14 R. Barrichello
  • 15 G. Berger
  • 16 A. Zanardi
  • 17 J. Herbert
  • 18 I. Capelli
  • 19 E. Comas
  • 20 A. Suzuki
  • 21 U. Katayama
  • 22 D. Warwick
  • 23 A. de Cesaris
  • 24 F. Barbazza
  • 25 M. Alboreto
  • 26 L. Badoer
Voltas 72
Tempo Nublado
Volta mais rápida A. Prost - 1´19´´492
Podium 1º A. Prost 2º Ayrton Senna 3º M. Blundell
Carros 26
Abandonos 19

Senna na corrida

Posição de largada 2
Posição final 2
Melhor volta 1’20’’755
Pontos somados para o Campeonato 6
Posição no Campeonato após a prova 2
O que disse após a prova
“Foi uma corrida muito interessante até o carro tornar-se indirigível” (FORIX)