Grande Prêmio da Espanha – 1993

Voltar

Ayrton Senna não estava contente com o rendimento do motor de sua McLaren e chegou à Espanha alfinetando a Ford. Não entendia porque recebia motores até 80cv inferiores em relação aos fornecidos à Benetton.

“Espero que algum iluminado perceba que estão desprezando a chance de ganhar corridas”

O GP da Espanha era o quinto da temporada, sendo que até aquela oportunidade eram duas vitórias para Alain Prost em provas consideradas “normais” e dois triunfos de Ayrton Senna em ocasiões completamente excepcionais onde o piloto brasileiro fez história: Interlagos e Donington Park.

No treino classificatório, Ayrton conseguiu a melhor posição possível em uma temporada de domínio completo da Williams, ficando com a terceira colocação, ficando à frente de Michael Schumacher por 0s798 – a Benetton do alemão recebia os melhores motores da Ford. A primeira fila, como previsto, foi da Williams, com Alain Prost e Damon Hill, que pareciam imbatíveis no circuito catalão.

Senna manteve a terceira posição na largada e não precisou se preocupar tanto com a Benetton, de Schumacher na primeira metade da corrida. Na ponta, Hill superou Prost antes mesmo da primeira curva e assumiu o primeiro lugar.

O francês somente conseguiria retomar a liderança na 11ª volta, quando Hill não ofereceu resistência  ao companheiro de equipe. Nas voltas seguintes, o futuro tetracampeão abriu uma boa vantagem na primeira colocação.

A sequência da prova foi bastante monótona. Senna colocou aproximadamente 10 segundos sobre Schumacher, que tinha dificuldades para acompanhar o ritmo da McLaren. Enquanto isso, Hill somente conseguia se aproximar de Prost quando o francês perdia tempo na hora de negociar ultrapassagens com os retardatários.

O britânico tentou algumas vezes tomar a frente e, quando vivia seu melhor momento na corrida, na volta 41, viu o motor Renault de sua Williams deixá-lo na mão. Ele ainda conseguiu levar o carro para os boxes, mas a equipe pouco pôde fazer e o inglês precisou abandonar a corrida.

Com isso, Ayrton Senna subiu para a segunda posição e Schumacher para terceiro, Patrese era o quarto e a presença incomum na zona de pontuação era o norte-americano Michael Andretti, quinto colocado, que fazia sua melhor na corrida na F-1 até então, a bordo da McLaren.

A última cartada de Senna para tentar se aproximar de Prost era evitar o pit stop para trocar pneus. O francês não precisou se arriscar e, com um jogo novo de pneus, continuou andando bastante rápido até completar as 65 voltas da prova. Senna terminou em segundo com 16s8 atrás do rival. O pódio foi completado por Schumacher que, mesmo com uma rodada na parte final da corrida, manteve o terceiro lugar.

Patrese e Michael Andretti mantiveram suas posições e Gerhard Berger (Ferrari) completou os seis pilotos que pontuaram na Espanha.

Com o resultado, Prost assumiu a liderança do campeonato. O piloto da Williams tinha 34 pontos contra os 32 de Ayrton Senna e apenas 14 de Schumacher. O pódio, inclusive, ficaria marcado pela presença das três lendas da história da Fórmula 1, que no total de suas carreiras, juntos, somaram 14 títulos mundiais.

O jornal inglês Motoring News resumiu bem a corrida:

“Alain Prost adaptou-se à prática do mínimo esforço. Largou mal, gastou dez voltas para ter a passagem facilitada por Damon Hill e se impôs aos demais infelizes que não dispõem de uma Williams. Não foi brilhante, mas venceu. Só isso.”

Esta foi a melhor prova de Ayrton Senna na pista de Barcelona. Em 1991 e 1992, o brasileiro ficou fora do pódio. Em Jerez, outra pista que recebeu o GP espanhol na época de Ayrton, o tricampeão conseguiu mais sucesso: venceu em 1986 com a Lotus e em 1989 com a McLaren.

A corrida seguinte seria realizada em Mônaco após três semanas. Seria este o terceiro show de Ayrton Senna na temporada de 1993.

Resumo da Corrida

  • 1 A. Prost
  • 2 D. Hill
  • 3 Ayrton Senna
  • 4 M. Schumacher
  • 5 R. Patrese
  • 6 K. Wendlinger
  • 7 M. Andretti
  • 8 J. Alesi
  • 9 J. Lehto
  • 10 J. Herbert
  • 11 G. Berger
  • 12 M. Blundell
  • 13 P. Alliot
  • 14 E. Comas
  • 15 A. Zanardi
  • 16 D. Warwick
  • 17 R. Barrichello
  • 18 M. Brundle
  • 19 A. Suzuki
  • 20 C. Fittipaldi
  • 21 T. Boutsen
  • 22 L. Badoer
  • 23 U. Katayama
  • 24 A. de Cesaris
  • 25 F. Barbazza
Voltas 65
Tempo Nublado
Volta mais rápida M. Schumacher - 1´20´´989
Podium 1º A. Prost 2º Ayrton Senna 3º M. Schumacher
Carros 25
Abandonos 11

Senna na corrida

Posição de largada 3
Posição final 2
Melhor volta 1’21’’717
Pontos somados para o Campeonato 6
Posição no Campeonato após a prova 2
O que disse após a prova
“Espero que algum iluminado perceba que estão desprezando a chance de ganhar corridas” (sobre a fornecedora Ford preterir a McLaren, oferecendo seus melhores motores apenas à Benetton)