Grande Prêmio da Itália – 1993

Voltar

Ayrton Senna chegou em Monza com um novo sistema de alimentação do motor que os engenheiros instalaram no Ford-Zetec da McLaren. Tratava-se de dois injetores de combustível por cilindro, em vez de um, e uma inovadora borboleta substituindo a tradicional guilhotina.

A novidade trouxe esperança, mas não o tão desejado aumento de potência. Nem de longe pôde concorrer com as Williams, novamente donas da primeira fila com Alain Prost e Damon Hill.

Ayrton Senna largou em quarto e, na oitava volta, cometeu um erro: bateu em Martin Brundle (Ligier) e pôs fim à sua prova.

“Eu perdi o controle do carro e entrei na traseira da Ligier. Me apressei a pedir desculpas ao Brundle que, felizmente, não sofreu nada”

Ayrton Senna ficou feliz com o primeiro pódio de Michael Andretti, que chegou em terceiro, mas correu para visitar Rubens Barrichello (Jordan) e Christian Fittipaldi (Minardi). Rubinho foi um dos cinco pilotos que se acidentaram na primeira volta e Christian, na penúltima, ao tocar em Giancarlo Martini (Minardi) e alçar um voo espetacular em plena reta de chegada.

“O Christian escapou ileso por milagre. Só não aconteceu uma tragédia graças à altíssima qualidade de construção dos carros da F1”

Resumo da Corrida

  • 1 A. Prost
  • 2 D. Hill
  • 3 J. Alesi
  • 4 Ayrton Senna
  • 5 M. Schumacher
  • 6 G. Berger
  • 7 J. Herbert
  • 8 A. Suzuki
  • 9 M. Andretti
  • 10 R. Patrese
  • 11 D. Warwick
  • 12 M. Brundle
  • 13 J. Lehto
  • 14 M. Blundell
  • 15 K. Wendlinger
  • 16 P. Alliot
  • 17 U. Katayama
  • 18 A. de Cesaris
  • 19 R. Barrichello
  • 20 E. Comas
  • 21 M. Alboreto
  • 22 P. Martini
  • 23 M. Apicella
  • 24 C. Fittipaldi
  • 25 L. Badoer
  • 26 P. Lamy
Voltas 53
Tempo Ensolarado
Volta mais rápida D. Hill - 1´23´´575
Podium 1º D. Hill 2º J. Alesi 3º M. Andretti
Carros 26
Abandonos 12

Senna na corrida

Posição de largada 4
Posição final Abandonou (8º volta)
Melhor volta 1’27’’939
Pontos somados para o Campeonato -
Posição no Campeonato após a prova 3
O que disse após a prova
“O Christian escapou ileso por milagre. Só não aconteceu uma tragédia graças à altíssima qualidade de construção dos carros da F1” (Sobre o acidente com o piloto Christian Fittipaldi)